Rádio MDB Brasil Nacionais

Rádio MDB 2 Internacionais Românticas

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Atleta que jogou a Série D pelo Imperatriz entra na Justiça para ficar livre

Eloir com a camisa do MAC, contra o Imperatriz.
(Foto: Divulgação.)
São Luís - Sem jogar desde o dia 23 de julho, quando o Imperatriz realizou a última partida pelo Campeonato Brasileiro da Série D e foi eliminado pelo Treze-PB, nos pênaltis, o meio campo Eloir está impossibilitado de jogar o restante da temporada. 

O jogador, que recebeu proposta do do Sampaio, para jogar o returno do Brasileiro da Série B, não chegou a um acordo com o Maranhão Atlético Clube (MAC), detentor do passe do jogador até o fim de 2019, que quer uma compensação financeira para poder liberar Eloir, por empréstimo. 

Quando encerrou o estadual, o MAC liberou Eloir, por empréstimo, ao Imperatriz, sem ônus. Com o encerramento da participação do Cavalo de Aço na Série D, Eloir recebeu propostas para jogar a Série B. O jogador chegou ao MAC em 2017, sem ônus para o quadricolor maranhense.

Em entrevista ao blog do jornalista, Afonso Diniz, Eloir disse que está acionando o MAC na justiça porque não conseguiu chegar a um acordo com a diretoria. “O motivo que me levou a entrar com ação judicial contra o MAC foi porque,embora eu tivesse procura por outros clubes, o MAC não aceitou me emprestar sem contrapartida financeira, sendo que fui para o clube por minha vontade, a custo zero, e isso está me prejudicando. Já tem quase 15 dias que a competição da série D acabou e eu estou parado, já que o Maranhão não está disputando nenhuma competição no momento. Quando voltei a jogar ano passado, tive muitos problemas de lesões e não quero passar por tudo novamente. Isso é ruim tanto pra mim quanto para o próprio clube. Minha única alternativa foi recorrer à Justiça para que eu não fique o resto do ano parado, aguardando o início do campeonato maranhense de 2019, que é a próxima competição que o Mac irá participar.”

De acordo com ação, desde 2017, ano do início do vínculo do atleta com o Quadricolor, não houve nenhum depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. O jogador informou que o último depósito foi quando, ainda, estava no Ceará. O juiz que assina a notificação endereçada ao MAC é Antônio de Pádua Muniz Corrêa. A decisão foi emitida na sexta-feira (3) e já foi encaminhada a direção atleticana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário